"As Empresas Continuam A Investir Em Viagens, Apesar Da Inconsistência" 1

“As Empresas Continuam A Investir Em Viagens, Apesar Da Inconsistência”

Negócios

Depois da aquisição de Hogg Robinson Group (da hrg), American Express Global Business Travel se tornou a empresa número 1 a nível mundial pela gestão de viagens corporativas. “A cultura de negócios espanhola dá um vasto peso às relações face a face, e reconhece a credibilidade das viagens pro fortalecimento da conexão com compradores neste instante existentes e os futuros”, diz Elyes Mrad.

As viagens de negócios bem como têm impacto na economia global. “Facilitam os acordos internacionais e a atividade econômica, e também são um reflexo; então, estudando os detalhes que lança o setor, poderá ser extrapolado para a economia global”, admite o diretor geral.

Ao dizer das tendências que dominarão o setor nos próximos meses, Elyes Mrad acredita que a tecnologia vai continuar a ser o motor da alteração. “Os travel managers estão levando em conta o big data e fazendo modificações em conseqüência em tal grau em tuas políticas como o programa de viagens. Porém este ano se espera regressar ainda mais distante, graças a tecnologias como a Inteligência Artificial, o que nos garante KPIs e abordagens mais primordiais para a sua aplicação em programas de viagens das empresas”. Bem como se destaca a ainda mais seriedade que é dada ao bem-estar dos passageiros dentro dos programas de viagens.

Diante de todas estas tendências “o papel da agência se torna cada vez mais considerável na hora de se tornar um parceiro estratégico que apoie as empresas em expansão. Não basta oferecer o nosso valor durante a viagem, contudo mesmo direcionar nossos clientes e futuros freguêses, que é o propósito do mesmo. Nosso papel é, em definitivo, potenciar ao máximo a gestão 360 de viagens corporativas, incluindo a competência de custos em toda esta partida”. O diretor-geral internacional da American Express Global Business Travel reconhece que as opções de economia colaborativa estão se popularizando também dentro das viagens de negócio.

“O poder de escolher é a chave pro viajante corporativo e nós, como agência de viagens precisam simplificar um enorme leque que inclua todos os tipos de opções”, aponta. No que diz respeito às opções de mobilidade terrestre assim como estão se integrando ainda mais os programas de viagens de determinadas corporações. “Não obstante, e mais particularmente no caso particular de Portugal, apesar de que tal Uber como Cabify tiveram uma boa acolhida entre os viajantes corporativos, regulamentos recentes nas principais cidades espanholas conseguem cortar o seu potencial de progresso”, admite.

Daniel Bell (2006). As contradições culturais do capitalismo. Eugen von Böhm-Bawerk (1978). Capital e juros. D. F.: Fundo de Cultura Econômica. Fernand Braudel (1986). A execução do capitalismo. Rafael Tusón Calatayud. México: Fundo de Cultura Econômica. John Chamberlain (1994). As raízes do capitalismo.

José Luciano (1997). Aqui não podes acontecer. O novo espírito do capitalismo. Milton Friedman (1966). Capitalismo e independência. John Kenneth Transnacionais São Instituições Industriais (1968). O capitalismo americano. Jaime Berenguer Amenós. Barcelona: Ariel. Anthony Giddens (1977). O capitalismo e a moderna hipótese social. Aurélio Boix Duch. Barcelona: Labor.

  1. 13:13 Pantic96 ->Victor, Boksic continua jogando?onde
  2. FBeitia (conversa) 17:01 12 jun 2017 (UTC)
  3. VÍDEOS E CRÔNICA Málaga 4-0 Valência
  4. 2 A introdução da regulação autónoma
  5. três Modelos baseados na comunidade
  6. Depósitos ou transferências pra contas de cheques
  7. 2 Decadência económica 2.Um Queda imobiliária

Jack Goody (2005). Capitalismo e modernidade. Cecilia Belza. Barcelona: Crítica. Friedrich Hayek, Thomas Ashton, Louis Hacker, Ron Hartwell, Bertrand de Jouvenel e William Hurt (1997). O capitalismo e os historiadores. Rodney Hilton (1987). A alteração do feudalismo ao capitalismo. Doménec Bergada. Barcelona: Crítica.

Joseph Lajugie (1960). Os sistemas econômicos. Henri Lepage (1979). Amanhã, o capitalismo. Fernando Luengo Escamilla (2003). Mercado de serviço e competitividade nos capitalismos emergentes da Europa Central e Oriental. Karl Marx, ed. Friedrich Engels (1995). O capital: crítica da economia política. D. F.: Fundo de Cultura Econômica. Reinhard Marx (2011). O capital. Um pretexto em prol da Humanidade.