Pedro Sánchez Chega à Sua Primeira Votação Com Os únicos Apoios De PSOE E Cidadãos 1

Pedro Sánchez Chega à Sua Primeira Votação Com Os únicos Apoios De PSOE E Cidadãos

Finança

Talvez desta maneira descontado do efeito, a primeira votação da investidura do candidato socialista à presidência do Governo, Pedro Sánchez, ocorreu mais cedo do horário previsto. Só PSOE e Cidadãos têm apoiado ao secretário-geral socialista, pelo que Sanchez perdeu a tua primeira oportunidade (130 votos a favor, 219 contra e um abstenção) e precisará esperar a segunda, dentro de dois dias. Mas, tudo faz prever que o resultado de sexta-feira é bastante igual ao dessa quarta-feira. Após um debate de bronco, que ficaram muito claras as tensões entre os diferentes grupos, parece improvável que o socialista consiga os apoios necessários.

O próprio Sánchez deu pistas sobre o desfecho ao, a título de exemplo, botar alguns jogos a seguir negociando no futuro. Em virtude do acordo anunciado pela semana passada, Pedro Sánchez ganhou os votos favoráveis dos 90 deputados socialistas e os 40 de Cidadãos, muito distante dos 176 -maioria absoluta – de que precisava pra alcançar a presidência. Apenas Coligação Canária, e após alterar diversas vezes de direção, apostou na posição intermediária da abstenção, que não tem consequências pro consequência término.

O resto de grupos, desde o PP a Podemos passando pelos nacionalistas bascos e os soberanistas catalães, votaram de modo negativa a Sánchez. Um repercussão esperado depois de um debate amargo, marcado por duras avaliações dos chefes de linhas de PP e Podemos -a tua abstenção é imprescindível pra investidura – o pacto entre o PSOE e Cidadãos.

  • 1 Dados climáticos
  • Era uma vez o corpo humano
  • trinta e três h Primeiro cartão do jogo e do campeonado. Amarela para Vlad Chiriches, por reiteração
  • 48 h O jogo vai 1-1
  • quarenta e um h Turno de Pedro Sánchez, o candidato. Aplausos desde a sua bancada
  • Ryan Fredericks: Livre
  • Escola Secundária Regional Bilíngüe Sergio Ramírez de Arellano Hostos
  • Obras: Os direitos do Homem, 1791-noventa e dois

Em suas réplicas, Sánchez insistiu uma e de novo na circunstância que neste momento deixou claro ontem: ou a transformação ou Rajoy. Quem não apoie o seu acordo com os Cidadãos, estará auxiliando o ainda presidente em funções para renascer de suas cinzas e ser reeleito.

as Suas intervenções bem como serviram para marcar distâncias com o independentismo catalão, pelo que qualquer acordo, legitimou, não pode passar por ativa ou por passiva por um concurso do soberanismo. Apesar da disposição, a mensagem não foi calado entre seu principal receptor, Igrejas, e a tensão entre o PSOE e Podemos de hoje vem sendo a superior das provas. A intervenção posterior de Albert Rivera , que tem defendido a sua aliança com Sánchez apelando à sua vocação reformista, apresentou a calma, contudo apenas parcialmente.

Seu dardo contra Rajoy, o que considera um dia de negócios para continuar no cargo, suscitou duras considerações do grupo popular e tem acabamento de esticar a circunstância. Nem a intervenção dos grupos independentistas catalães ajudou. E também publicar seu voto negativo, Joan Tardà (ERC) foi dado pelo fato de que a liberdade da Catalunha é inevitável depois do acordo entre o PSOE e C’s. Só Francesc Homs (DiL) abriu uma pequena porta e recordou a Sanchez que é possível um Governo de esquerda se abre a aceitar o certo a decidir catalão. Tardà e Homs -que têm empregado o catalão como tem feito Rivera – são criticada também a Sánchez, que fala de fratura pela Catalunha.

Na mesma linha, o PNV foi criticada a Sánchez, que se tenha esquecido da agenda basca e que não tente jogar um papel mais primordial na questão catalã. As intervenções dos outros participantes do grupo misto serviram pra marcar posições.